Telefone: +351 929 261 237

Porto reinventa novos negócios

 

“O turismo está a contribuir para esta revitalização transversal da cidade” garante Nuno Camilo, e contribuiu para reinvenção do comércio e serviços da cidade.

“O turismo está a propiciar a criação de novos negócios tanto no Porto como na Região Norte”, refere Nuno Camilo, presidente da Associação de Comerciantes do Porto, desde 2009. “Esta dinâmica turística tem feito crescer os projectos empresariais à volta do turismo. Entre 2014 e 2017, duplicaram o número de empresas de animação turística. Este dinamismo reflecte-se não só na criação de serviços de apoio ao turismo como na diminuição do desemprego”, assinala Rui Pedro Gonçalves, director-executivo da Associação de Turismo do Porto.

Há dez anos a cidade do Porto tinha um problema estrutural que era a reabilitação urbana. “O Porto 2001 deixou a cidade de rastos, com muitas obras e afastou um grande número de pessoas do centro da cidade para fora. Com o turismo a crescer, com a Ryanair, a Douro Azul, os vários operadores privados que cresceram e começaram a mostrar um Porto diferente, de experiências, houve uma evolução em termos de negócios”, diz Nuno Camilo.

 

Hotel papelaria

 

“O turismo está a contribuir para esta revitalização transversal da cidade” garante Nuno Camilo. “Se não fosse o turismo o Porto estaria numa situação muito periclitante. Primeiro tivemos duas crises, a última das quais fechou muitas pequenas e médias empresas à volta do Porto que alimentavam o comércio. Essas pessoas refizeram a sua vida no sector do turismo.”.

Na opinião do presidente da Associação de Comerciantes do Porto, “hoje vemos que o comércio da cidade se reinventou. Para além da Livraria Lello, Café Majestic ou o Guarani, o Porto tem espaços únicos produtos e serviços que não há no mundo inteiro”. Dá o exemplo de um edifício que era uma papelaria e “que hoje é uma papelaria num canto, e o restante é um hotel, o que faz com que o turista olhe para este hotel como algo inovador”. Adianta que se criaram novos empregos, geraram-se “negócios no sector dos serviços como os transportes, nas lavandarias, e a restauração, que se reinventou”, refere Nuno Camilo.

 

Alojamento local: San Sebastián cobra mais que o Porto

 

A diária média anual no alojamento local no centro da cidade do Porto desceu, entre 2016 e 2017, 6% em termos de valor, segundo um índice semestral de diárias no alojamento local, feito pelo Confidencial Imobiliário. A média da diária é de 76 euros, e, na gama alta, pode chegar aos 130 euros.

Ricardo Guimarães diz as diárias do alojamento local em “San Sebastian são o dobro das cobradas no Porto”. Parece paradoxal porque o Porto é que tem as principais distinções como destino turístico. A grande diferença reside na base económica, que é mais forte em San Sebastian e não parte de níveis de desemprego e de falta de actividade económica de que partiu o Porto. Nesta cidade o alojamento local é dominado por uma economia familiar disponível reduzir o valor em troca de ocupação”, concluiu.

Fonte: jornaldenegocios.pt

Share this article