Telefone: +351 929 261 237

Uma em cada cinco pessoas que procura casa em Portugal está no estrangeiro

Um aviso às imobiliárias: o interesse dos estrangeiros em investir no mercado imobiliário nacional é real e os teus potenciais clientes estão cada vez mais fora do país. Prova disso mesmo é que cerca de 20% do tráfego do idealista Portugal já tem origem no estrangeiro. Ou seja, uma em cada cinco pessoas que procura casa em algum ponto do país está fora.

Uma em cada cinco pessoas que procura casa em Portugal está no estrangeiro

E quem são os estrangeiros que procuram casa em Portugal?

França, Brasil, Espanha, Suíça e Reino Unido estão entre os países com mais visitas no idealista, segundo um estudo realizado pelo nosso portal. Esta lista liderada por França, com 17,5% das pesquisas, confirma um elevado interesse dos franceses pelo mercado imobiliário português, provocado principalmente pelo regime dos Residentes Não Habituais que dá benefícios a quem se instale temporariamente em Portugal.

Esta medida, implementada há cerca de quatro anos, acabou por tornar Portugal um destino muito cobiçado entre as pessoas reformadas ou à beira da reforma.

Em segundo lugar e com 16,6% das pesquisas surge o Brasil. Desde que a economia daquele país entrou em queda, a compra de imóveis em Portugal por brasileiros disparou, muitos deles através do programa de Autorização de Residência para Atividade de Investimento (ARI), também conhecido como golden visa/vistos gold, colocando o Brasil nos primeiros lugares entre os países de fora da União Europeia em volume de investimento neste setor em Portugal.

O baixo preço da habitação em Portugal, face aos seus congéneres europeus, a par da atratividade das grandes cidades portuguesas como Lisboae Porto como destino turístico, a segurança, o clima e os benefícios fiscais, fazem com que exista um elevado interesse de vários países da Europa para investir em Portugal.

Espanha (13,5%), Suíça (11,1%) e Reino Unido (9,9%) completam o ranking dos cinco países que mais pesquisas realizaram no velho continente. Nesta lista podemos ainda encontrar Itália (7,2%), Alemanha (6,4%), Estados Unidos (4,7%) e Angola (3,2%).

 

Fonte: idealista.pt