Telefone: +351 929 261 237

Cidades continuam a sustentar o mercado imobiliário em 2017

Os operadores contactados pelo Jornal Económico afirmam-se optimistas com a continuação da tendência de crescimento. Revitalização do crédito à habitação aumenta procura. Há escassez nos escritórios.

Cidades continuam a sustentar o mercado imobiliário em 2017

Portugal é o quarto melhor país do mundo para investir em imobiliário, no ranking da “TheMoveChannel”, e diversos relatórios indicam que estamos a viver mais um ano de crescimento contínuo. Os operadores do mercado ouvidos pelo Jornal Económico concordam com esta apreciação e mostram-se otimistas quanto à evolução do setor, este ano e nos próximos.

“Pelo terceiro ano consecutivo o volume de investimento em imobiliário comercial ficará acima dos 1.000 milhões de euros”, afirma Pedro Lancastre, diretor-geral da JLL, ao Jornal Económico. “Pode mesmo vir a ser um ano recorde com valores a superar os 2.000 milhões de euros, tendo em conta o pipeline de que temos conhecimento”, vaticina.

O investimento no mercado imobiliário em Portugal tem tido como principal motor o capital estrangeiro e está muito focado nos centros das principais cidades – Lisboa e Porto.

“Portugal está na moda e cada vez mais presente no radar do mercado internacional”, afirma o diretor geral da Predibisa, João Nuno Magalhães.

“Na área de investimento, a dinâmica do mercado mantém-se igualmente positiva”, aponta Jorge Bota, managing partner da B.Prime, ao Jornal Económico, sublinhando que “existem várias opções disponíveis no mercado, tornando-o ainda atrativo para os investidores internacionais que procuram em Portugal rentabilidades que já não são possíveis nos demais mercados europeus”. No entanto, acrescenta, “nota-se uma maior prudência e um escrutínio mais rigoroso das operações avaliadas pelos investidores”.

Centros urbanos cativam procura
Os núcleos urbanos centrais – especialmente em Lisboa e no Porto – continuam a ser os mais procurados pelos investidores, uma situação que não deve registar alteração nos próximos anos.

“[O mercado] vai continuar a vender muito bem nas localizações mais centrais, onde os investidores estão concentrados”, afirma Paulo Silva, administrador da Aguirre Newman em Portugal, acrescentando que esta é a tendência no curto prazo.
“Temos de perceber que o mercado tem uma direção própria mas não é uma ciência exata. Agora que se estão a desenvolver os produtos de promoção imobiliária, é natural que dentro de três a quatro anos, se continuarmos com um ciclo positivo, vai começar a olhar-se para zonas não tão centrais”, explica.

Entretanto, o foco continua a ser o centro das grandes cidades e, aos investidores internacionais junta-se, agora, maior procura de nacionais, puxada pela revitalização do crédito à habitação. A elevada procura condiciona o mercado, que mostra não ter oferta suficiente para responder.

“Verifica-se dificuldade em encontrar os ativos certos, pela sua escassez”, diz Pedro Rutkowski, administrador da Worx, acrescentando que a “forte competitividade” criada obriga “os investidores a adotarem estratégias mais agressivas perante o mercado”.

Facto é que a atividade mantém-se e as perspetivas assentam no desenvolvimento de novos empreendimentos que entrarão em promoção e negócios já iniciados que serão concluídos este ano.

“Temos em carteira bons negócios, iniciados o ano passado e que se irão concretizar este ano, iremos também assegurar novos empreendimentos em exclusivo, localizados em zonas prime do Porto”, refere João Nuno Magalhães.

O incremento nos projetos de promoção imobiliária e o investimento em terrenos para construir escritórios são duas das maiores direções que o mercado vai tomar ainda este ano.

O segmento de escritórios é aquele que apresenta maior escassez da oferta, apesar das perspetivas de alteração, com novos projetos. A maior parte daqueles que ainda nem estão disponíveis já estão esgotados. O líder da Worx estima que a segunda metade do ano seja marcada pelo dinamismo no segmento de escritórios, com contratos de pré-arrendamento, mas para o managing partner da B. Prime, Jorge Bota, a única solução é pensar “out of the box”, mostrar “criatividade e trabalhar o conceito de pré-arrendamento”, para conseguir ir ao encontro da procura, que se mantém positiva.

“O segmento de escritórios promete continuar a ser dinâmico, com contratos de pré-arrendamento, apesar da oferta se manter escassa perante a procura”, afirma Pedro Rutkowski, avaliando que continuara a ser “um forte impulsionador do setor de investimento, pela previsão da negociação de venda de alguns portfolios que deram entrada no mercado em 2016 e cujas negociações deverão estar concluídas na primeira metade de 2017”.

No final, regista-se que entraves ao desenvolvimento – que não decorrem diretamente do mercado – são políticas: a estabilidade dos programas Golden Visa e Residentes Não Habituais e respetivos timings administrativos.

 

Fonte: jornaleconomico.sapo.pt